A25 - Redução de custos

6 dicas para reduzir os custos de logística

O transporte desempenha um papel fundamental nas despesas logísticas da maior parte das empresas. Ele representa, em média, 60% dos custos logísticos, podendo significar duas ou três vezes o lucro de uma organização, dependendo do seu setor.

A burocracia imposta no Brasil, em que mais de 30 documentos são necessários para fazer uma exportação, além da aprovação de 16 órgãos públicos, torna o processo mais caro e mais demorado, encarecendo excessivamente o preço dos produtos importados.

A qualidade e a densidade da infraestrutura rodoviária, ferroviária e portuária no Brasil também são problemas: segundo estudo publicado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em 2015 comparando 15 países, o Brasil ficou entre os últimos colocados em qualidade da malha ferroviária e revelou-se, ainda, como o país que pior cuida das qualidades de suas estradas e o que oferece a pior infraestrutura portuária. Esse quesito tem impacto de 1,5% no preço dos produtos.

Além disso, o fator que mais contribui para elevar o custo Brasil e tornar os produtos mais caros é a alta carga tributária no país: de acordo com o mesmo estudo, a carga tributária eleva em 13,8% o preço dos produtos.

 

Como reduzir o custo de logística

 

Para que uma empresa possa sobreviver e competir no mercado, a redução dos custos logísticos é um fator de extrema importância. Por isso, é necessário que seja feito um planejamento bem estruturado, em que a diminuição dos gastos não comprometa a qualidade dos produtos e serviços oferecidos.

Neste artigo nós listamos algumas das principais medidas que podem ser tomadas para auxiliar na redução dos custos logísticos. Essas informações foram obtidas através do Blog Logística. Confira a seguir:

 

  • Saiba quais são seus custos

Uma das medidas mais importantes é conhecer quais são os gastos que a empresa tem com atividades como armazenagem, movimentação de materiais, estoque e transporte. A posse dessas informações vai ajudar na realização de um comparativo de custos x orçamento, de modo a identificar quais as categorias estão tendo despesas excedentes e como direcionar as ações de redução.

 

  • Procure prever a demanda

Através do cruzamento de dados entre o histórico de vendas, a análise do comportamento do mercado e o giro dos produtos, é possível realizar a previsão da demanda, criando estimativas a respeito do que será buscado pelos consumidores em períodos futuros e organizando a aquisição de novos produtos.

Dessa forma, problemas como falta ou excesso de itens e desperdícios diversos são evitados, uma vez que o estoque passa a se basear na realidade do negócio.

 

  • Gerencie o tráfego dos itens

A utilização de um bom software para gerenciar o tráfego de itens evita a ocorrência de erros que causam prejuízos, como o envio de pedidos trocados ou despacho separado de produtos que compõe a mesma compra.

A adoção de um sistema capaz de elaborar rotas ajuda ainda a definir os melhores percursos para as entregas, levando em consideração variáveis como volume das cargas e o gasto do combustível, entre outras.

 

  • Tenha mais de uma opção de transportadora

A recomendação de manter contato com várias transportadoras diferentes é importante para que a empresa possa negociar preços melhores, regiões de entrega mais convenientes e maior flexibilidade no volume de cargas e remessas. Isso também permite que sejam oferecidas opções variadas de entrega e preços atrativos, resultando em um melhor atendimento às necessidades dos clientes.

 

  • Acompanhe os índices de desempenho

Os Indicadores de Desempenho Logístico, também conhecidos como KPIs (Key Performance Indicator), são ferramentas de gestão utilizadas para medir e avaliar periodicamente o desempenho dos processos de uma empresa e identificar os aspectos que demandam melhora, ajudando na redução dos custos logísticos. Através destas ferramentas, deve-se acompanhar métricas como os gastos com fretes e estoque, índice de avarias e extravios e quantidade de reenvios.

 

  • Invista em soluções tecnológicas

O investimento em soluções tecnológicas facilita as operações da empresa, aperfeiçoando a gestação logística ao proporcionar maior agilidade nas entregas, redução de desperdícios, melhoria nos produtos e diminuição dos gastos. Veja os sistemas que se destacam:

ERP: Voltado para a gestão integrada da empresa, o ERP é capaz de realizar a troca automática de informações, melhorar a comunicação, automatizar os processos e aumentar a produtividade. Seu uso possibilita o monitoramento constante do volume de vendas, o que ajuda a manter equilibrados os níveis de estoque e a avaliar com precisão a necessidade de veículos para o frete.

WMS: Através desta ferramenta, é possível controlar os processos dentro do estoque, como recebimento, armazenagem, separação de pedidos, inventário de materiais e expedição.

TMS: Voltado para a gestão de transporte, o sistema permite o monitoramento das entregas, a consolidação das cargas, além da gestão de ocorrências e auditoria de faturas.

SISTEMA PAMCARD: Realiza a gestão dos pagamentos de transportes de forma transparente e centralizada. Tanto empresas embarcadoras quanto transportadoras se beneficiam do seu uso, pois reduz o tempo e facilita a administração de pagamentos, bem como da geração de CIOT, além de reduzir o custo da operação.

Fonte: HBSIS e Blog Logística

 

 


MMCafé